Para soltar o bandido-mor, STF abre as celas e coloca população em risco

Protegidos por uma quase intocabilidade dentro do aparelho do Estado, os ministros do Supremo agem como semideuses.

Cada um faz o que quer, do alto de suas arrogâncias exacerbadas.

Brincam com a ordem legal e massacram uma intensa luta contra a impunidade.

Falo caros leitores, sobre a decisão da Corte em rever a prisão após condenação em 2ª instância.

Por 6 a 5, os ministros decidiram — pela centésima vez — mudar o entendimento sobre o tema.

Por qual motivo? Para soltar o bandido-mor, o homem responsável pelo maior crime contra essa nação: Luiz Inácio Lula da Silva.

O voto derradeiro foi dele, o eterno advogado do PT:José Antonio Dias Toffoli, presidente da Corte.

Ele foi responsável por desempatar o placar, que estava em 5 a 5.

Podia ter decidido por manter as celas fechadas, mas fez o contrário.

Toffoli abriu as carceragens das prisões para soltar seu padrinho.

Já escrevi anteriormente sobre a dívida eterna de Toffoli com Lula.

Sim, dívida eterna! Afinal, proporcionar a alguém a realização de um sonho é algo impagável.

O petista ajudou Toffoli a se tornar juiz.

Coisa que por concurso ele não conseguiu.

O fato é que, apesar da toga, Toffoli é o eterno advogado do Lula.

Mas não vem ao caso! A questão é que os ministros decidiram anular a Lava Jato revendo interpretações jurídicas.

Deram fôlego novo ao crime de colarinho branco, encaminhando a saída de dezenas de milhares de criminosos de todas as espécies.

Agridem o processo legal para livrar bandidos.

Vergonhoso! 
Categoria:Opinião